Escolhas

março 22, 2011 brybru

Eu estava em uma casa em um sítio. Era a tua casa. Você tinha muitas mulheres, meio do jeito que você é na vida real. Tínhamos, eu e você, a mesma idade. Você acabou me escolhendo para namorar, mas também não foi uma escolha contada para os outros. Você simplesmente ficou comigo. Estávamos namorando mas você continuava saindo com outras mulheres. Eu também não ligava muito, ou melhor, não pensava muito no caso. Ia cuidando da terra e das galinhas. Eu trabalhava muito. E estava vestida com vestidos simples, bem de roça mesmo.

Foi quando seu irmão mais novo apareceu e nos encantamos. Me senti muito feliz junto dele. E não escondia de ninguém meu sentimento. Você começou a brigar comigo. Eu era meio ingênua e até a hora de você me cobrar eu não via nada de errado em ficar com teu irmão. Você me disse que havia deixado todas as meninas por minha causa. E que não era certo eu estar fazendo isso.

Me senti culpada e fiquei divida. Saí chorando, andando pela cidadezinha, pensando se eu tinha que escolher e com quem eu deveria ficar. Eu pensava que gosto tanto, tanto de você, mas não sabia porque o teu irmão me deixava mais tranquila. E acabei pensando que era muito bom ficar com seu irmão, até então, um desconhecido. Eu queria ficar com ele, mas eu queria continuar com você. Continuei andando, meio perdida pela cidade. Entrei em uma venda, derrubei umas prateleiras com plantas, arrumei tudo de volta no lugar. Fui para uma feira, agora com minha filha ao lado, mas chorando. Ficamos procurando coisas pra comer e depois roupas. Não consigo ver ligação entre a briga do começo do sono e o seu desfecho.

IRL – Na vida real – Os sonhos podem ser uma grande piada. Ou a própria vida o ser. Me veio a imagem do Trickster. O Deus que nos traz lições através de brincadeiras e enganos.

A sonhadora é simples. Está vestida com roupas simples. Simples também é seu pensamento. Raciocínio nunca colocado a prova. Vai apenas vivendo seu cotidiano, sem questionar muito sua vida e sua relação amorosa. É permissiva. Permite que seu “amado” vá vivendo suas escolhas e ela mesma, não faz alguma escolha. Vai deixando a vida ser o que seja. Como se não se importasse.

A grande questão surge à partir do confronto de sentimentos. Mas é também uma questão imposta pelo outro. Por ela continuaria a ser mulher de um e de outro. Mas aquele que sempre escolheu por ela, agora coloca-a na parede e a obriga a escolher. E a acusa de não ser justa. E colocada na parede se dá conta de que tem que escolher. Mas ela não quer escolher. Escolher a faz chorar. Pensar em decidir qual caminho seguir é doloroso. Porque temos que escolher? Porque temos que nos “responsabilizar” pelas escolhas.

E neste dilema ela se perde. Saí meio que “sem destino”. Derrubando plantas em sua confusão de sentimentos. Até agora a vida foi a levando. Essa situação traz seu estado “vegetativo” à tona. Não pensava até agora. Agora pensa e reflete sobre seus sentimentos.

A busca na feira por comida e roupas pode representar a busca de preencher o vazio percebido em sua vida. Até agora não se pensou. E constatar isso é doloroso. Buscar alimentos e vestimentas que acolham a dor. Ou escondam a dor.

Um bom tarot ajuda.

O X da questão – Amor – A consulente está apaixonada. Por uma pessoa ou pela vida.

Momento atual – A Estrela – Velhas crenças sendo questionadas e eliminadas. Novas compreensões sobre a existência, visão mais realista e experiente sobre a realidade.

A saciedade – A consulente não aguenta mais  os compromissos e as obrigações que saturam sua vida. Vive tentando satisfazer as expectativas dos outros por necessidade de reconhecimento e aprovação. Apesar de aparentemente tranquila, vive uma guerra interna.

Necessidade interna e método – O pendurado – Necessita expressar seu amor, viver seus ideais sem questionamentos, sem dúvidas, críticas nem freios. Resgatar e fortalecer suas emoções e fazer delas seu guia, sem permitir que a mente e a sociedade  coloquem obstáculos.

A Rainha de copas – o lado feminino está preso., sufocado por bloqueios. Necessário que todo o potencial emocional, sensitivo e mediúnico seja reconhecido, aceito e desenvolvido. O aflorar emocional é um desafio a ser aceito.

A Sacerdotisa. Parar com seu movimento compulsivo. Deixar de lado relacionamentos que não a satisfazem. Meditação e abrir-se para a espiritualidade.

Resultados – O Ermitão – Conhece a si mesmo. Observa o mundo e não cai em seus delírios. Emana uma agradável sensação de centramento e paz.

A mudança – Transformação geral da vida. Principalmente material.

Anúncios

Entry Filed under: Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to comments via RSS Feed

Páginas

Categorias

Agenda

março 2011
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Most Recent Posts

 
%d blogueiros gostam disto: